terça-feira, novembro 24, 2009

Outra Carolina da janela




Como os ollhos de Carolina,
Eram os da menina
E, distraídos, não notaram
Que outros olhos atravessavam,
Procurando sua janela.
E brilhando fitados nela,
Não ouviram a buzina.
E se fecharam naquela esquina.



sexta-feira, novembro 13, 2009

Até o fim...

Nasceu, meio torto e meio chato, como a cabeça da mãe cearense. Pequeno planejava ir pro sul e repetiu em geografia. Não acompanhou a escola, mas, teve que acompanhar Maria aos 17. “Como assim ta prenha?”

Foram os três para Sampa ganhar a vida. Servente de motel, pagamento que mal da para quitar o aluguel. E nasce mais um, Gabriel, nome de anjo pra ver se tem sorte.

Maria vai trabalhar, só na cama mesmo pra se encontrar.
Trabalhando com obra, o dinheiro começa a dar, mas, não sobra. “Não dá por causa da bebida!” diz Maria. E ele poderia largar logo a bebidinha de cinco e dez com mais cinco ou dez colegas?

Na TV passava novela mostrando um pouco da sua terra e não conseguia controlar a saudade e a vontade momentânea de voltar. Que falta fazia seu povo, o passo mais lento e andar descalço na areia quente. “Se lá fosse só poesia, a gente não tinha saído.” pensava.
Todo dia tinha feijão e arroz na marmita, e, para que entre companheiros pudesse ser vaidoso, tinha também farofa de ovo. E na rotina, as piadas velhas repetidas e cantadas mal respondidas

Nasce a filha, Daiana como a princesa pra ver se vira rica. Trabalho dobra, a cervejinha também..
As novinhas pareciam querer provocar com o andar, faziam ele mesmo se envergonhar das coisas que não parava de pensar. E Maria aparentava mais velha, cansada. A amava ainda, Maria era o porto seguro, a lembrança presente do que era e do que ia ser. A força em que se apoiava ao sair do bar. Aquela que educava seus filhos.
E, talvez, fosse esse seu único objetivo agora, educar seus filhos. Não podia dar Barbie, nem vídeo game, mas dignidade. Sabia, no fundo, que para seus filhos isso pouco era. Mas, era melhor essa educação severa do que uma vida na miséria.

Estava envelhecendo. “Sem rendimento, sem pagamento. Fora!”. Pesadelo de realidade. O filho mais velho indo trabalhar. “Os outros vão continuar a estudar”.
Porteiro no Morumbi, como era longe! Chegava em casa tarde - antes o bar do Wilson - e como pedra dormia. Só continuava essa vida por ser cabra-orgulhoso, não sabia muito bem do que. Devia continuar. Era nordestino. Filho de Joana e José. Tinha alguns sonhos meio esquecidos. Apenas seguia a irrecusável e imutável proposta de vida.

O cabelo grisalho aparecia, só não arrancava porque sabia que mais sete nasciam. Danou-se, é vez de Ivete, a empregada do 207 tirar seu sono. Parou de beber, o cabelo pintou, até poema dum caminhoneiro amigo recitou. Ela fazia que bola não dava e toda hora para Paulo ligava. Paulo era um abestado e também bandido. Assobiou pra moça e caiu na poça todo batido. Maria dele cuidou, escondida chorava e na cozinha cantava as músicas que faziam com que suas lágrimas não pudessem parar.

Era agora avô, sua princesa Daiana não casou com nenhum bacana, mas, lhe deu a neta querida: Joana. “Em homenagem a mãezinha”.
Mesmo sem estudo se sentia muito sábio. Trabalhava menos e cuidava de passarinhos. Tinha cada vez mais gaiola e dava mais carinho. Maria, mesmo amargurada merecia. Mais netos, todos os santos reunidos para ceia com o vô.

sábado, novembro 07, 2009

Uns olhos

Simplesmente uma força incontrolável
não permitia que tirasse os olhos de você.
É coisa de olho, inefável.


E que olhos castanhos! Tão seus.
E, às vezes, senti serem tão meus.
Feitos para dizer tudo que eu precisava enxergar.
Será que são para só eu decifrar?


Mas, e agora? Aonde estão?
Estão por aí, escondidos num canto frio.
Dei muito de mim.
E esse pensamento vadio
Deixou-me de forma tão entregue.

Talvez seja esse o problema.
Aceito que você negue,
Pois tudo que é assim,
Pronto e dado, perde o poema.


Errei. Mas, perdôo me.
Com só uma certeza:
Passarei a olhar para mim agora.
Fazer ser uma nova beleza.

sexta-feira, novembro 06, 2009

Dans mon ile

Dois perdidos numa ilha do pacifico.


Dois pacíficos numa ilha perdida.


Perdidos pacíficos numa ilha a dois.


Perdidos em uma ilha do pacifico.


Perdidos nus de uma ilha pacifica.


Pacífico de perdidos nus d’uma ilha.





(isso é uma merda qualquer fruto da falta do que fazer numa aula de física...Não sei porque to postando!)

Música linda de Henri Salvador!

Dans mon île

Ah comme on est bien
Dans mon île
On n'fait jamais rien
On se dore au soleil
Qui nous caresse
Et l'on paresse
Sans songer à demain
Dans mon île
Ah comme il fait doux
Bien tranquille
Près de ma doudou
Sous les grands cocotiers qui se balancent
En silence, nous rêvons de nous

Dans mon île
Un parfum d'amour
Se faufile
Dès la fin du jour
Elle accourt me tendant ses bras dociles
Douces et fragiles
Dans ses plus beaux atours
Ses yeux brillent
Et ses cheveux bruns
S'eparpillent
Sur le sable fin
Et nous jouons au jeu d'adam et eve
Jeu facile
Qu'ils nous ont appris
Car mon île c'est le paradis

segunda-feira, novembro 02, 2009

Woody Allen

Woody Allen, sem dúvidas, é o cineasta com que mais me identifico. Não é um gênio, nem tem frases de fazer chorar, – a não ser de rir – é muito fiel a sua visão sarcástica em relação aos relacionamentos, a sociedade e ao ser humano com todas suas neuroses, maluquices e questões froidianas


Woody é todo niilista, cheio de questões existenciais, ateu e hipocondríaco (é assim na vida, e alguns personagens herdaram essas loucuras allenescas)

 Woody’s Top, top, top:

1) Manhattan – Só a abertura me deixa arrepiada: a história é trivial: um romance, um triangulo amoroso, pessoas complicadas... A fotografia e o roteiro do filme são um deleite.

2) Noivo neurótico, noiva nervosa. – Meu amor por esse filme veio por causa da minha fase “Diane Hall” (o verdadeiro nome da atriz Diane Keaton que inspirou Woody a fazer o filme, na época em que ele dava uns pegas nela). Mais uma história de relacionamentos e pessoas e de como complicamos tudo, mas, que a vida ainda tem partes brincando-com-o-jantar-e-tirando-fotos (cena predileta).

3) A Outra – Graaaande atuação de Gena Rowlands. Filme que me rendo – um pouco – a Mia Farrow. Fala de uma mulher muito fechada que acaba levando a sua vida de outra maneira ao escutar os desabafos de uma nova paciente de seu vizinho psiquiatra. Mais conflitos da psi!!

4) Interiores – Dramalhão com ótimas atuações, linda fotografia e roteiro muito inteligente. Fala de uma família toda complicada, relacionamento entre irmãs diante da mãe “doente”, do pai e da nova madrasta.
5) Crimes e pecados – Traição, assassinatos, consciência, tentações e humor. Maravilhoso!

6) Vicky Cristina Barcelona – Roteiro maravilhoso, Javier Barden (aaaah, as meninas suspiram), Barcelona e Penélope cruz dando ataque em espanhol.


“Quando eu era pequeno os meus pais descobriram que eu tinha tendências masoquistas. Então passaram a bater-me a toda a hora para ver se eu parava com aquilo.”


“Já várias vezes disse que a única coisa que se interpõe entre mim e o sucesso sou eu.”

“O Homem divide-se em duas partes: corpo e alma. O corpo é mais divertido.”

"Alguns casamentos terminam bem, outros duram a vida inteira"

“As pessoas boas dormem muito melhor à noite do que as pessoas más. Claro, durante o dia as pessoas más se divertem muito mais.”

“Não é só Deus que não existe, tente chamar o bombeiro nos finais de semana."

“A liberdade é o oxigênio da alma”

É agradável, de tempos em tempos, tentar imaginar o que teria sido a existência se Deus tivesse conseguido um orçamento e roteirista melhores".

“Um homem vai ao psiquiatra e diz: "doutor, meu irmão é louco; ele acha que é uma galinha". e o doutor diz: "e por que você não o convence do contrário?"; e ele responde "eu o convenceria, mas preciso dos ovos. Isso é basicamente o que eu sinto sobre relacionamentos: sei, eles são totalmente irracionais, malucos e absurdos, mas continuamos porque a maioria de nós precisa dos ovos.”