segunda-feira, março 31, 2014

pode ir

embora
eu
gostaria
que
ficasse.


março
se despede
mas
não se desprende
encarnando-se
na purpurina
que pretende
sair
mas nunca sai.





sexta-feira, março 21, 2014

esvaziamento

oi. como vai você. queria saber mais um tanto. mas talvez nem tenha tempo. oi. eu to bem. mas sabe como      é. frases soltas passam a fazer mais sentido do que qualquer pensamento em lógica em tempos como os            nossos em que tudo passa tão. oi. to sentindo frio aqui. esqueci o casaco. lembrei de vovó falando para           lembrar. mas eu esqueci. de vovó pretendo não esquecer do cheiro tão bom. opa. e ai. talvez eu deva               diluir todas as minhas vontades e me desintegre para passar menos latente por ai. e ai. você já teve                      que se desmanchar. isso foi uma pergunta. perdão. mas to fa tiada e to chateada com um                                    bando de coisas que sei lá. não vão pra muito longe. é difícil pra caramba ser em tempos                                   como os nossos. é tão subestimado quanto a lógica dos pensamentos essa coisa de                                            ser. estar é raro ou caro. ei. a cidade vazia me lota de angústias. perdi meu espaço                                             em algum momento do ensino fundamental. ando me equilibrando. talvez venha                                                   dai o erro. mas já escolhi ser feliz diferente de vovó que está em casa                                                                preocupada com o casaco que eu não trouxe e com as notas do outro                                                              neto e com os dentes cariados do Tio Rubinho e com a pressão alta                                                                  de alguém da família de vovô. vovó também estava tentando se                                                                         equilibrar. só que eu nisso dimensiono sonhos e a largura de                                                                             sorrisos e abraços e beijos e a vida se mostra tão sem jeito                                                                               quando colocada assim. é difícil o pouco. sou filha única.                                                                                      inimiga do tempo e eterna insatisfeita. eu quero sempre                                                                                        mais. é difícil o pouco. ei. me dê mais. pode me                                                                                                  dar. eu aguento. mas talvez o truque seja                                                                                                              mesmo o de se diluir. até o charme vir.                                                                                                                diria o poeta. e talvez então eu viva                                                                                                                         discretamente tudo aquilo que                                                                                                                                 hoje me palpita em                                                                                                                                           neon por dentro. ah.
                                                                                                                                          ei .oi. como. eu.
                                                                                                                                                  levando. se
                                                                                                                                                         tivesse                                                                                                                                                           espaç